Bulba RPG
Bem-vindo! Para ter acesso completo ao conteúdo do fórum deve fazer Login ou Registar-se
Bulba RPG
Após o impacto entre as Ultra Beasts e Giratina no Distortion World, o mundo ficou mais pobre. Alola foi destruida e muitos outros locais desapareceram do mapa. Porem, essa destruição trouxe uma calma aparente no mundo. Um sentimento de união espalhou-se pelo mundo e a solidariedade retornou. Novas Mega Evoluções e Cristalizações foram descobertas, levando a comunidade cientifica ao extase. Porem um pensamento mantem-se presente na mente de todos: até quando esta paz?
Temática: Primavera
Últimos assuntos
» Catching Contest - Fight Type [Trizzzmegisto]
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyHoje à(s) 3:07 am por Arceniopédia

» Pós apocalipse, meus primeiros passos.
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyHoje à(s) 2:57 am por Trizzzmegisto

» Violet City - Ambar [AutoRoute]
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyHoje à(s) 2:54 am por Trizzzmegisto

» Adentrando Santalune Forest
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyHoje à(s) 2:51 am por Trizzzmegisto

» [CC Novembro] Murdoch (Oleg Giotto)
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyHoje à(s) 2:29 am por Trizzzmegisto

» Ficha - kosoko
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyHoje à(s) 2:26 am por kusoko

» 01 - Admirável mundo novo
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyHoje à(s) 12:35 am por MadMax

» [SORTEIOS] MADDOX
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyHoje à(s) 12:11 am por PokéDados

» [Fazenda] - Zehel's Farm
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 EmptyOntem à(s) 10:23 pm por Dark_Akira



Laboratório do Prof. Oak

Página 15 de 15 Anterior  1 ... 9 ... 13, 14, 15

Aron Tinuviel
Aron Tinuviel

Postado em Sab Set 21, 2019 1:29 pm

Criador
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 UtRy1Kr Laboratório do Prof. Oak - Página 15 580Laboratório do Prof. Oak - Página 15 700

Aron Tinuviel
Pesquisador
[icon="fa fa-check"][/icon][div]Inicial Entregue: Bem Vindo!
- Coloque o link da sua ficha, box e sorteios no teu perfil ou sign.
Boa sorte, e que tenha uma boa jornada![/div]

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entro no laboratório de óculos escuros para esconder minhas olheiras. Eu podia estar desmontado, mas ninguém era obrigado a me ver assim. Passei a noite inteira ensaiando uma coreografia nova para o meu próximo show. Cansativo, mas vale a pena. Ainda não decidi quem escolher para me acompanhar na minha turnê. Minha família toda tem um histórico de companheiros também sensíveis a aura e eu até fiquei interessado em um deles, pequenininho, fofinho, meio twinkie... mas sei lá. Não consigo pensar em nenhum look legal que fosse combinar com ele. Ainda sem ter me decidido, pedi para o primeiro ajudante que eu encontrei para me ajudar. Puxei pelo jaleco e disse:

- Hey moço. Preciso de um Pokémon para me acompanhar. Pode me mostrar quais ce tem?

Ele me olhou meio desconcertado. Acho que eu interrompi alguma linha de raciocínio dele, mas ele vai ter que esperar. Me acompanhou até uma salinha com um grupo de Pokémon. Esqueci de avisar das minhas habilidades especiais, então ele me mostrou a seleção tradicional. Tudo bem por mim, porque minha decisão foi feita assim que eu bati meus olhos numa princesa ceruleana.

- AMADA! O que temos aqui? - disse levantando no colo uma foquinha super charmosa. - Você já tem até roupinha!

- Na real, isso faz parte do corpo dela e... - me interrompeu o ajudante.

- Shhhh. Detalhes. Eu preciso dessa princesinha. Nós fomos feitos um para o outro.

O ajudante revira os olhos porque ele não consegue aguentar todo meu glamour. Retorna a pequena Popplio para a Pokébola e me entrega com alguns outros itens que nem dou muita atenção. Colo um adesivo de safira na Pokébola dela. Consegui a minha primeira joia. Agora sim vou brilhar nessa região. Dou um beijinho na pokébola, agradeço e saio para viver minha grande aventura.

Voltar ao Topo Ir em baixo

[icon="fa fa-check"][/icon][div]Atualizado
(Link do Sorteio)[/div]


Última edição por L Mars em Dom Set 22, 2019 11:46 pm, editado 1 vez(es) (Razão : L Mars)

Voltar ao Topo Ir em baixo

pallet;
Time stood still, the way it did before
With: everyone | Citados: shhh. | Emoção: ansiedade | Note: êee ca**

Ur eyes are swallowing me. Mirrors start to whisper, shadows start to sing. My skin's smothering me. Help me find a way to breathe. Wake up, take my hand and give me a reason to start again. Wake up, pull me out and give me a reason to start again. Time stands still (Time stands still).


Azra sentia cada músculo de seu corpo conforme andava em direção à Pallet. Foram duas noites e duas manhãs da floresta onde vivia até lá. Como ainda estava entardecendo, o horizonte era quente e suave, com brisas mais ou menos frígidas indo de encontro com o rosto do rapaz; afinal, o clima vinha sido gélido ao longo daquele semestre.

Afastando alguns fios de cabelo do rosto, Azra arrastava a palma destra sobre a pele enquanto bocejava levemente. Ele estava mais ou menos cansado, mas tinha um propósito, e ele era prioridade. Assim que adentrou Pallet, andou mais um pouco antes de encontrar alguém para quem pudesse pedir alguma orientação. Era uma mulher alta e esbelta que parecia abrir sua floricultura, esticando-se afim de descer algumas flores que estavam penduradas na fachada.

O menor se aproximou devagar antes de coçar a garganta, presumindo que chamaria sua atenção.

- Minha nossa! Mal te vi chegar, - ela disse 'num susto, pondo as mãos sobre o peito ao se virar para ele: - Posso ajudar com algo?

Azra sentiu certo incômodo no peito. Não estava acostumado a falar com outras pessoas, e naquele momento, se deu conta de como teria que fazê-lo com mais recorrência do que gostaria. Olhando a mulher por um instante, reparou sua pele negra, madeixas crespas volumosas com algumas pétalas e folhas caídas por cima. Ela tinha vestígios de poeira nas mãos e em suas vestes, o que indicava que já estava ali bem antes dele se aproximar.

- Sim. Não queria te interromper, - disse apontando os traços identificados anteriormente: - Mas gostaria de saber onde encontrar o Sr. Oak...

- O que? Isso? Não se preocupe, já estava terminando. - falou, limpando as mãos umas nas outras antes de cruzar os braços sobre o busto, com um sorriso singelo no rosto: - Ora! Você deve ser um dos mais novos que vi passar pela minha floricultura atrás dele. Você está atrasado sabia? Minha filha Meëra já está no lab para pegar seu primeiro pokémon. - gesticulou, rindo: - Não está muito longe, pode ir reto e dobrar a terceira esquerda, vai achar o amotoado de estreantes como você aguardando do lado de fora!

Azra olhou na direção indicada e assentiu com a cabeça: - Obrigado, mas será que já não está tarde?

- Bom, ele fica por lá até o anoitecer, já que são muitos. Pode ir! - disse, dando tapas leves nas costas do rapaz antes de se virar para dentro da floricultura: - Boa sorte!

O menor a encarou sumir enquanto processava o que tinha que fazer. Olhou para cima e viu que ainda estava claro, talvez não fosse ser o último, mas com certeza estava bem longe de ter sido o primeiro. Azra se adiantou pela calçada até encontrar um punhado de pessoas aglomeradas mais à frente; ele se apressou, se espremendo entre eles, e não tardou a escapar pelas entranhas daquele tanto de gente para dentro.

Era tudo ainda mais fascinante do que ele esperava.

- Tudo bem rapaz? Sou Oak, ou como preferir. - escutou pelas suas costas: - Mais um pouco e teria que esperar mais uma primavera para voltar tentar de novo, haha! - riu.

Azra virou para ele: - Desculpe o atraso, realmente não sabia se ia conseguir.

- O que importa é que agora está aqui, sim? Você deve ser o filho de Czerny. Ele me adiantou que você viria. - sibilou, afagando-lhe os fios da cabeça: - Vamos, venha.

O percurso foi rápido.

- Pode escolher, fique à vontade.

O rapaz foi deixado livre para andar pelo local e olhar. Haviam várias pokébolas à sua disposição. A que ele decidisse pegar seria sua, assim como o pokemon que havia dentro dela. Azra deu uma volta, sem pressa. Foi quando parou inesperadamente, e se voltou para uma em específico.

Ela não parecia nada diferente das demais, mas algo ali lhe chamou a atenção. Talvez, algo que estava dentro daquela pokebola. Azra logo se adiantou e a tomou nas mãos, mostrando-a para Oak.

- É esta!

- Pois então solte-o e veja o que há dentro. - disse.

Ele pareceu enrubecer um pouco antes de fazê-lo e... Um SNORUNT. Ele era diminuto, e nada parecido com os demais pokemons que a maioria havia pego. Azra franziu o cenho e aquele pokémon pareceu fazer o mesmo, imitando-o.

- Parece que vocês tem muito em comum. Dá para ver.

Azra e Snorunt encararam-o.

- Você acha?

Laboratório do Prof. Oak - Página 15 PCP361

ADENDO:
Visto que havia a possibilidade de escolher um pokémon com, no máximo, base exp de 120, optei pelo Snorunt que possui 60.





Última edição por Azra em Ter Out 01, 2019 8:27 am, editado 1 vez(es) (Razão : Azra)

Voltar ao Topo Ir em baixo

[icon="fa fa-check"][/icon][div]Atualizado
Snorunt veio fêmea. Caso queira um macho pode-me enviar seu pedido por MP que será alterado, porem não o poderá colocar no Day Care.[/div]

Voltar ao Topo Ir em baixo

Laboratório do Prof. Oak
[ Pallet Town ~ Manhã/Tempo parcialmente nublado ]

❝――――――――――――― Laboratório do Prof. Oak - Página 15 Proxy Laboratório do Prof. Oak - Página 15 Proxy ‧ ›――――――――――――❞

Laboratório do Prof. Oak - Página 15 Tumblr_p917f6sUrz1srt81jo4_250

― Lin, Lin! ― Chamou Sol. Estava ao lado de Lua, se não fosse pelas roupas diferentes, Eva jamais conseguiria distinguir os dois, pois até mesmo o corte de cabelo era semelhante um do outro. ― Você vai para a sua jornada?
Eva sorriu enquanto calçava seus sapatos com uma certa dificuldade. Não via a hora de sair de sua casa e correr até o laboratório.
Sim, estou indo pegar meu primeiro pokémon no laboratório de Oak.
― Ah, isso é tão legal! ― Exclamou Lua com a boca suja de comida. Próximo a geladeira estava Draco, seu pai, que mantinha-se de costas para a filha. Draco não falava com Eva já faziam três dias, talvez estivesse nervoso com a partida da mesma, ou apenas com bastante raiva por isso. Era difícil decifrar o que ele sentia. ― Qual você vai escolher?
Eu ainda não sei princesa.
― Pois se eu fosse você… ― Começou Sol. ― ...Eu pegaria um Piplup. ― A surpresa foi que tanto ele como Lua falaram o nome do pokemon ao mesmo tempo enquanto sorriam. Até em falar os dois eram semelhantes.
Vou refletir bastante sobre essa dica. ― Afirmou Eva terminando de enrolar os cadarços do tênis.
Eva ergueu-se do chão, olhou para o pai. Ainda emburrado. Sua filha estava partindo e ele sequer lhe lançou algumas palavras, mesmo que estas fossem grosseiras. Talvez o silêncio fosse o que doía mais. Mesmo assim, aquele era um grande dia, ela não deixaria essa atitude infantil dele atrapalhar um grande passo da sua vida, por isso emitiu um radiante sorriso para os pequenos gêmeos na mesa da cozinha. Já havia se despedido deles a máximo que conseguiu, enchendo de beijos e brincando sem parar; até mesmo explicou detalhadamente o que ela estava fazendo para eles não pensarem que Eva apenas iria os abandonar. Os pequenos entenderam bem e só com isso ela já estava satisfeita.
Bom, eu já vou indo. Quando eu chegar na próxima cidade eu irei ligar. ― Olhou diretamente para os gêmeos. ― Vocês se comportem. Não deem trabalho para o papai porque senão ele vai fazer o Charizard dele comer vocês.
― Não prometemos nada. ― Os gêmeos responderam ao mesmo tempo sorrindo de volta. ― Nós te amamos.
Eu também amo vocês. ― Antes de ir, olhou mais uma vez para o pai, ocupado demais olhando alguns papéis. Evangeline respirou fundo. ― Adeus pai, eu lhe dou notícias. ― E então fechou a porta de casa.
Não foi complicado se locomover pela cidade. Após alguns acontecimentos seu pai optou em voltar para Pallet, sua cidade natal. Desde o começo da sua adolescências Eva passou a morar naquela região, então não se complicou muito em caminhar pelas pequenas ruas. Já havia visto o professor Oak algumas vezes pessoalmente, era alguém próximo ao seu pai, então os dois mantinham contato principalmente quando Draco passou a estudar mais a respeito sobre os pokémon tipo dragão. Não estava nervosa com o fato de que caminhava para pegar seu primeiro pokemon, mas sim por iniciar sua jornada. Sozinha. Eva nunca havia estado em um momento por conta própria, a mercê de preocupações e coisas inesperadas, isso sim fazia seu estômago embrulhar e a vontade de retomar o caminho para casa era grande. Mas, ao mesmo tempo, não queria voltar para sua família. Queria conhecer mais os lugares, tipos de pokemon novos e até mesmo pessoas. Queria criar laços. Talvez essa força de vontade para o novo, mesmo que o temesse profundamente, era o que mantinha suas pernas subindo os andares do laboratório buscando pelo professor Oak e os pokemon que ele poderia oferecer a Evangeline naquele novo passo de sua vida.
Adentrando um enorme sala iluminada, Eva observava alguns pesquisadores ocupados com suas pranchetas e computadores, a medida que via alguns pokémon presentes no lado de fora, sendo cuidados e estudados. Ela reconheceu alguns e se aproximou um pouco do vidro para ver melhor a interação entre eles. Cuidar de um pokémon deve dar tão trabalho assim? refletiu consigo, mas então a imagem de Sol e Lua emergiu em sua memória, a fazendo acreditar que se lidou com dois pequenos encrenqueiros durante boa parte da sua vida, ela saberia de virar com um pokemon.

Pontual da mesma forma que seu pai, isso provavelmente deve ser de família. ― Uma voz masculina comentou atrás de Eva, que virou-se para ver de quem era e se deparou com um homem de meia idade, com os fios brancos aparecendo e os olhos castanhos. Era Oak.
Olá professor. ― Eva se aproximou dele e lhe envolveu em um abraço apertado, era como se estivesse vendo um velho amigo mesmo com uma nítida diferença de idade.
Olá Evangeline, devo assumir que achei que se atrasaria. Provavelmente seu pai iria lhe impedir de sair depois de lhe dar boas dicas de como seguir com sua jornada.
O sorriso de Eva se dissipou um pouco e as sobrancelhas torceram-se em uma expressão de tristeza.
Ele quase fez isso. ― Mentiu. ― Mas eu consegui escapar. ― E sorriu de novo.
Entendo. Bom já que já está aqui, saiba que boa parte dos pokemon inicias não partiram ainda, essa é a vantagem de chegar cedo nesse tipo de evento. ― Oak caminhou com Eva pelo seu laboratório. Rapidamente explicou algumas informações sobre os pokémon, sobre ser um treinador e coordenador; além de assuntos que envolviam pessoas que não eram presos a pokémons, como os Rangers. Lhe apresentou alguns cientistas presentes no local e seguiu em frente. ― Já tem em mente em qual pegar?
Não, na verdade eu pensei somente em uma região, que seria a nossa: Kanto. Acho que isso também deve ser da família.
Oak emitiu uma risada.
Pois bem, venha, eles estão aqui. ― Na frente de Eva se encontrava os três iniciais de Kanto: Bulbasaur, Charmander e Squirtle. Os três estavam de pé, e ao ouvirem a voz de Oak, ergueram o olhar para ele e a sua visitante. ― Pode se aproximar, vê-los melhor ajuda na hora de escolher.
Eva agachou-se. Estava mais difícil do que nunca. Os três possuíam sua própria individualidade e isso era fantástico, mas qual seria o ideal para a jornada que Eva tanto quer seguir. Bulbasaur e Squirtle olhavam a garota de maneira indiferente, mas o Charmander, esse lembrava o pai com a cara fechada, como se não quisesse fazer amizades, principalmente com ela. Eva focou nos três.
Olá. ― Iniciou um primeiro contato. Foi surpreendida com as respostas de Bulbasaur e Squirtle, mas mais ainda com um grunhido de irritação vindo do pequeno Charmander e sua virada de costas. Ele sentou de costas para ela.
Oak pareceu levemente envergonhado da ação do pokemon e coçou levemente a cabeça para aliviar a tensão.
Ele pode ser um pouco ríspido às vezes, é da natureza dos Charmanders terem uma personalidade forte.
Aparentemente esse tipo de pokémon não gosta de mim. ― Comentou Eva lembrando do Charizard de seu pai; enorme, forte e extremamente grosseiro. ― Eu irei ficar com o Charmander.
Foi uma surpresa para Oak e para o pequeno Charmander, que virou o rosto para ver Eva levemente assustado com a decisão. Oak então sinalizou para ela, seu pedido foi uma ordem. O Charmander seria seu. A pokébola fora oferecida para ela, que guardou com gentileza em sua bolsa. Mais uma vez abraçou o professor Oak, agradeceu por tê-la recebido e ouviu algumas dicas de viagem. Quando Evangeline abriu a porta do laboratório, o mundo ao seu redor parecia mais claro, entretanto algumas nuvens optavam por deixar o momento mais frio.
Laboratório do Prof. Oak - Página 15 Tumblr_n44nxdNhEG1t3wqt6o1_250



Última edição por Merigold em Qui Out 10, 2019 2:09 am, editado 2 vez(es) (Razão : Merigold)


Laboratório do Prof. Oak - Página 15 A10
Ficha | Box | Dados
— Life goes in cycles, everything that comes around, goes around (...)

Voltar ao Topo Ir em baixo

[icon="fa fa-check"][/icon][div]Atualizado
Charmander Macho entregue =)[/div]

Voltar ao Topo Ir em baixo

Prólogo - O ponto de partida
Kamiki
Era um dia comum no laboratório. A vida de estagiária estava monótona como sempre e Kamiki acabava de voltar de sua pesquisa de campo não muito longe dali. Embora chata, ela ainda tinha aquele amor genuíno por tudo o que a pesquisa trazia e por causa disso, adentrava o laboratório com um sorrisão bobo.

- Vamos, funcionária do mês. Precisamos do seu relatório sobre a biologia das ruas de Pallet para hoje. - Era recebida pelo assistente com aquele olhar morto de sempre, acompanhado de seu Litwick. - Marquei uma hora com o Professor Oak para que você entregue esse relatório, então não se atrase. Ele está ansioso para saber que novos monstrinhos estão vivendo conosco. Ah, já ia me esquecendo: deixei um café passando para você, mas não coloquei açúcar.

- Tudo bem, Han. Pode deixar... Muito obrigada. - Respondeu a jovem, com um sorriso, seguindo direto para a sala de convivência para se deliciar com uma xícara de expresso quentinho. Relaxando um pouco, quase estava na hora do seu compromisso e por causa dele, decidiu se aprontar e ir até o segundo andar. Bateu na porta e o velho a esperava, com um olhar diferente.

- Kamiki! Que bom te ver! - Exclamou, animado. - O que você tem para mim?!

Entregou o rudimentar caderno nas mãos, um tanto envergonhada. Mesmo assim, as anotações deixavam o professor cada vez mais surpreso e interessado, mas ainda deixava nítido que estava escondendo alguma coisa. - Você foi ótima, como sempre. Sabe... É difícil para mim dizer isso, já que eu acabo estreitando laços com todos daqui. Ademais, não queria ter que ver mais um aprendiz partindo, mas acredito no seu potencial e que você tem uma capacidade muito maior de crescer fora daqui.

- Isso é uma demissão?! - Indagou Kamiki.

- Não, menina! Claro que não, afinal você é uma das minhas melhores e mais esforçadas assistentes. Na verdade, eu quero propor a você uma viagem. Pokégea ainda é nova e Pallet está mais conhecida que a palma da minha mão, além das rotas nos arredores. Eu preciso que você ande por aí e me mande notícias sobre o que está acontecendo. Hoje, não há ninguém mais apto à isso, portanto é a sua hora.

Rápida na decisão, determinou. - Era isso que eu estava esperando! Nossa, é um sonho se tornando realidade - mesmo. Eu posso escolher?

- Poder, você pode. Mas não vale se arrepender, hein?! - Retrucou o professor.

- Acredito que para mim, o mais indicado é algum Pokémon do tipo fogo. Dos convencionais, mesmo, afinal eu venho estudando eles faz tempo, então acabei não me ligando muito nos outros. Não queria muito, mas irei escolher o Charmander. - Disse ao pousar as mãos no queixo.

- Sábia escolha! Providenciarei num instante. - Respondeu o velho, acessando o computador e pegando uma Poké Ball vermelha e brilhante que se materializava logo ao lado. Dirigiu-se à sala dos fundos e voltou de lá com um kit inicial, desses que os vários treinadores recebem quando saem na aventura. E quem diria: a que havia visto essas pessoas passarem e saírem felizes com seus parceiros, agora estava nessa posição. Que reviravolta!

Voltar ao Topo Ir em baixo

[icon="fa fa-check"][/icon][div]Atualizado
Charmander entregue com sucesso[/div]

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pegando meu parceiro pokémon



De inicio parecia apenas uma manhã normal, mas na verdade era a manhã do inicio da minha história, a história de um pequeno bruxo que entrava num mundo dos pokémons, buscando ser o melhor criador pokémon da região.
Já faz cinco anos que tento dar inicio ao meu destino, sempre houve complicações no meio disso, porém agora, no ano de 2019 dei o ponta pé inicial. Segue a história...

Numa manhã FonseCarlos ouve um anuncio no rádio, um professor conhecido, professor Oak dizendo sobre a entrega dos pokémons iniciais na cidade de Pallet, uma pequena cidade, mas um pouco distante da atual localização de FonseCarlos. Nem que fosse preciso correr, pegar PokéUber, pegar onibus, aviões, FonseCarlos não perderia essa oportunidade, não dessa vez...
O mesmo decide ir de PokéUber, abre o aplicativo no seu celular, e chama o carro... Após 10 minutos de espera, ja estava tudo certo, qual pokémon seria escolhido, qual o nome que ele teria, qual o sexo dele, entre outros fatores...

Perto do laboratório do professor Oak acontece o inesperado... Uma batida pokémon, duas Rapidashs que apostavam corrida acabaram se batendo e parando o transito, de carro não era possível mais ir... FonseCarlos então decide pagar o PokéUber e ir andando até o laboratório, em 10 minutos era possível chegar ao destino.
Chegando ao terreno do laboratório FonseCarlos se destrai um pouco olhando aquela maravilha de lugar, pokémons de praticamente todos os tipos vivendo em harmonia num mesmo local, pokémons fortes, evoluidos, pokebebes, realmente era algo incrivel para ele.
Chegando a porta, FonseCarlos começa a refletir sobre quais pokémons deveria escolher... Aquela triste duvida em cima da hora.



Laboratório do Prof. Oak - Página 15 7Laboratório do Prof. Oak - Página 15 158Laboratório do Prof. Oak - Página 15 252Laboratório do Prof. Oak - Página 15 390Laboratório do Prof. Oak - Página 15 495


Qual dos cinco seria uma boa opção para ele?...
Talvez todos... ou talvez nenhum...
30 minutos haviam se passado, já havia uma fila enorme naquela porta...
Do nada uma voz conhecida grita:
- EU ACREDITO EM VOCÊ FONSECARLOSSS!
Ele conheceria aquela voz em qualquer lugar.. Era sua mãe, veio do trabalho para desejar boa sorte nessa jornada. Aquela fala despertou coragem e tirou as duvidas dele.
Ele escolheria um pokémon que se identificasse com ele, um amigo, um parceiro.
Ao chegar no laboratório havia vários pokémons para serem escolhidos por ele, mas quem despertou o amor dele foi apenas um... Um que é da cor favorita dele, que parecia entusiasmado, que tinha coragem e que tinha um olhar de vitória.
Pois bem, Snivy foi o escolhido, o pequeno grande Snivy.
Naquele momento foi feito uma ligação entre os dois, uma troca de olharem e...
Um grito: - É AQUELEEE
Essa foi a expressão de FonseCarlos para escolher seu inicial.
Após isso os dois sairam daquele laboratório com uma chama (mesmo que pareça ironico para um pokémon planta, mas havia mesmo uma chama).
Esse foi o apenas o inicio... Mas com uma bela entrada.


Laboratório do Prof. Oak - Página 15 Maxresdefault


Spoiler:

Pokémon: Snivy
Nome: Delta
Sexo: Fêmea



Última edição por FonseCarlos em Sex Nov 08, 2019 8:34 pm, editado 1 vez(es) (Razão : FonseCarlos)

Voltar ao Topo Ir em baixo

[icon="fa fa-check"][/icon][div]Atualizado
Snivy entregue[/div]

Voltar ao Topo Ir em baixo

Parecia ser apenas uma manhã comum, como qualquer outra, o sol brilhava, os passaram cantavam. Porém, não era apenas mais um dia, era o dia, o dia em que Louis Rathuviere iria iniciar sua jornada no mundo Pokémon.

Louis acordou bem cedo, tinha algumas inseguranças, como talvez estarr velho demais, porém ele estava ansioso, mal podia esperar para ir até o laboratório do professor. Ele levantou de sua cama e fez o que sempre fazia, tomou banho, vestiu-se, tomou seu café e então saiu de casa correndo, para ir até o laboratório.

Ao chegar lá, abriu a porta e foi de encontro ao professor, Louis então disse que foi até lá para poder pegar um Pokémon e os demais itens que precisaria para sua jornada. O professor então pegou algumas pokebolas, e retirou os Pokémon de lá, Louis ficou maravilhado com todos eles, porém um em específico chamou sua atenção, era um pequeno felino, preto e vermelho, um Litten. Ao vê-lo, Louis tinha certeza de que era aquele Pokémon que queria.

Louis então disse ao professor sua escolha, que entao recolheu todos os Pokémon em suas pokebolas, e entregou a pokebola do Litten e uma pokedex para o rapaz, que pegou suas coisas e agradeceu, e então correu para fora do laboratório, ansioso para iniciar suas aventuras.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Era temporada de primavera,fazia cerca de 24ºC e o tempo era ameno. Parecia o cenário perfeito pra iniciar uma nova jornada.
Numa pequena encruzilhada,cuja guiava para cada casa na cidade,era possível observar um garoto de baixa estatura caminhando em direção ao famoso laboratório da cidade. Aquele era Donald Clarke, 16 anos, cujo havia rumado á Pallet Town para iniciar sua jornada Pokémon.
Donald parecia estar com uma expressão séria no rosto,mas também não era pra menos. A única coisa que passava por sua mente era sua família,que o mesmo havia deixado para trás. Aquele sentimento de amargura por iniciar uma nova vida sozinho,sem a companhia de seus familiares,tomava conta. Mas ele sabia que sua decisão não tinha volta, aquele era seu destino e,principalmente,o que ele queria pra sua vida. Dando um breve suspiro,ele logo coloca um sorriso no rosto e adianta sua caminhada rumo a sua meta.

Ao adentrar o local, a primeira coisa que Donnie percebe é uma mesa com várias Pokébolas em cima. Ele já sabia do que se tratava,dentro de cada uma havia a escolha de um Pokémon inicial que deveria ser feita por ele. Donald já tinha plena consciência de qual seria seu inicial,pois o mesmo já havia estudado cada vantagem e desvantagem destes antes mesmo de sair de casa... Ou pelo menos era o que tentou fazer,antes de cair no sono e ter deixado para ver um resumo mais breve possível.

Logo o mesmo acaba sendo abordado por um homem idoso,vestindo um jaleco branco e de cabelos da mesma cor. Tendo um leve espanto por não ter reparado no velho antes,Donald rapidamente se recompõe e pede desculpas pela reação inusitada

Laboratório do Prof. Oak - Página 15 M8XyFSx

- Ei... Você é o Professor Oak,né ? - ele pergunta, tendo reconhecido de quem se tratava - S-sinto muito por não ter falado diretamente com o senhor de vez,eu acabei me distraindo por observar as Pokébolas aqui
- Não tem problema! - o Professor responde, com um leve sorriso no canto da boca - Você deve estar aqui para a escolha do seu Pokémon inicial,estou certo ?
- Isso mesmo! - ele replica - Eu dei uma olhada antes de vir pra cá,e eu fiquei muito interessado no Pokémon Popplio. Fiquei encantado com ele e acabei decidindo por escolhe-lo como inicial.
- Então sua escolha será o Popplio. Boa escolha,se me permite opinar - responde Oak,rindo levemente - Deixe-me entrega-lo a você

Após pegar a Pokébola,o Professor então a entrega para Donald,que resolve não perder tempo e parte correndo rapidamente para a saída do laboratório. Não sem antes acabar escorregando e caindo no chão por ignorar uma placa de "piso molhado",como de costume,deixando o professor constrangido com a situação.
Ao chegar na saída,Donald dá novamente um breve suspiro,exatamente como aquele que dera antes de chegar ao laboratório,com o mesmo sentimento de que,a partir de agora,sua vida havia mudado para sempre.


Última edição por MadMax em Sab Nov 09, 2019 6:00 pm, editado 1 vez(es) (Razão : MadMax)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Atualizado

Voltar ao Topo Ir em baixo

~~ 10:00 ~~
DIA ENSOLARADO, BRISA LEVE

Aquele céu desenhado pelo universo, com suaves tons de azul e leves pinceladas de branco aos redores, e o amarelo marcante ao centro que se movimenta, juntamente de um ar doce e suave, gostoso de sentir e ótimo para uma caminha naquela passagem de pedregulhos entre a terra batida, com pequenos arbustos daquela cidade, que transmiti pacificidade ao nosso jovem Isirus. A caminho do laboratório do renomeado (e ídolo do nosso jovem mancebo) professor Samuel Oak, de encontro com seu parceiro de vida para uma extraordinária jornada.

Todo naquele imenso imóvel (chamativo se comparado aos demais da região), se espantam com a aparência de um ser pequeno com os pés descalços, uma confortável bermuda bege e sua camisa polo verde grama, junto aos enormes óculos vermelho e chapéu de palha na entrada.

- Olá a todos grandes amigos e pesquisadores, me chamo Isirus, e é um enorme prazer em conhece-los! – entusiasmado como de costume. Se aproxima ao renomado e responsável pelo laboratório, ao lado uma enorme estufa com diversas pokebolas (possivelmente com os pokémons iniciais para os jovens que perambulam todos os dias por este local). – Professor, é uma honra conhece-lo, não quero tomar muito de seu tempo precioso, mas venho humildemente em busca de meu inicial, estou a caminho da floresta de Santalune para iniciar minhas pesquisas sobre Berry's e Apricorns e os deuses Pokémons, espero que o Bulbasaur queira seguir comigo nesta caminhada espiritual.


Última edição por sinhorelli em Dom Nov 17, 2019 2:25 pm, editado 2 vez(es) (Razão : sinhorelli)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Anulado


Última edição por Shariki em Seg Nov 18, 2019 11:13 pm, editado 1 vez(es) (Razão : Shariki)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Terminando de se arrumar, Cain sai de casa trajando seu casaco branco e começa a andar em direção ao laboratório do Prof. Oak. Por ainda não estar com saúde perfeita, ele anda mais devagar do que a maioria das pessoas e por cause disso percebe uma pequena criatura com cerca de 1 metro o seguindo. Ao se virar, Cain vê que aquele ser era um pokemon muito conhecido por ele: Dob, a Smeargle que seus pais trouxeram para casa em uma de suas últimas expedições. Cain se aproxima de Dob e faz carinho na cabeça dela enquanto sorri.
-O que houve, garota?
Dob responde apontando seu rabo para uma pokeball que estava em sua mão esquerda.
-Quer vir junto comigo? - Cain solta uma leve risada enquanto se afasta e faz um sinal com a cabeça para Dob o seguir e logo ambos continuam no caminho para o laboratório e em questão de 30 minutos eles chegam.
Ao adentrar o laboratório, Cain e Dob se dirigem a área onde o prof. Oak está atendendo as necessidades dos novos treinadores e o jovem se aproxima do professor acenando com sua mão direita.
-Olá professor, vim aqui receber minha pokedex e minhas pokeballs. - Cain fala com um leve sorriso forçado.
O professor entrega tanto as pokeballs quanto a pokedex e pergunta ao garoto -Não vai levar consigo um dos pokemons que estou oferecendo?
Cain, já indo na direção da porta responde rapidamente -Não precisa! Apenas avise aos meus pais que eu estou levando a Smeargle deles comigo.
Então Cain e Dob partem em sua jornada deixando para trás a cidade onde os dois passaram quase todas suas vidas.

Dob:
Smeargle Fêmea

Voltar ao Topo Ir em baixo

BORN.2B.WILD



         Tinha certeza de que veria o dia amanhecer acordado de cima daquele telhado, impaciente demais para conseguir dormir. Pallet podia parecer um lugar pacato aos olhos de pessoas normais, mas infelizmente para Maddox uma cidade daquele porte era suficiente para dar-lhe dor de cabeça. Aos poucos ia se acostumando com o ritmo frenético com o qual as pessoas viviam e com o fato de agora estar entre humanos, mas ainda assim eram tantos fluxos, tantas auras. Mal conseguia ficar fechado entre quatro paredes, tanto que o único lugar que o deixou mais calmo foi sobre o telhado do Centro Pokémon, onde ele podia ver a lua e observar o céu. Talvez sua sensibilidade e percepção contribuíam com essa sua angústia, já que alguns humanos carregavam consigo energias pesadas e negativas. Balançou a cabeça, espantando todos os pensamentos ruins. O dia vai nascer e este será um grande dia. Olhou para o lado e sorriu ao ver a tranquilidade com a qual Riolu dormia, deitado de forma desajeitada.

         "- Parece que pouco tempo convivendo entre eles já me mudou, Mestre Lucario. Me sinto angustiado aqui e sinto muitas saudades do Vale, tão calmo e limpo. Independente de onde esteja, saiba que eu estou cuidando do meu irmão." - Pensou o jovem consigo mesmo, flutuando em devaneios, enquanto acariciava a orelha de Riolu, a quem se referia de irmão. "- Vivendo entre eles, tenho que obedecer os seus costumes, e para caçar Shadow Pokémons aqui eu preciso de suas tecnologias. Vou encontrá-los e ajudá-los, pois eu não quero que as pessoas e Pokémons sofram mais. Eles são tão tolos, mestre. Adoram um deus que é um pedaço de papel, e isso rege suas vidas. Só espero que eu consiga, Mestre... As vezes parece ser tudo tão difícil ao modo que eles fazem".

         Nesse instante, um toque caloroso no ombro acalentou o coração do garoto. Qualquer pessoa se assustaria com o contato súbido, mas Maddox reconhecia aquela aura. Era Lucario, o próprio Pokémon  que o retirou do meio da chuva na floresta e o criou, posto de pé na sua frente em cima daquele telhado... Mas como? Tentou gritar o nome do mestre! Tentou correr e abraçá-lo! Tentou se comunicar telepaticamente como tanto já fizeram... mas tudo que sobrou foi a sensação de conforto que aquele sábio tutor trazia e uma onda de calor no rosto.

         Abriu os olhos. O sol já ia fazendo a primeira curva e Riolu chutava o seu tornozelo pra que ele acordasse. Então... Ele tinha pegado no sono? Precisou de um tempo para absorver tudo que havia acontecido, permanecendo calado alguns segundos enquanto coçava a cabeça. Alguns sonhos podiam ser tão incríveis que era difícil aceitar que eram só sonhos. Mas quem disse que são só sonhos? Sorriu com o canto da boca e olhou para o céu azul da manhã: "Obrigado." - Pensou consigo mesmo. Aquilo havia sido forte o suficiente para dar-lhe bons motivos para sorrir e se levantar daquele telhado para começar seu dia. - Tá bom, pode parar de me chutar, eu já acordei." - Reclamou com o Riolu que agora sorria e estufava o peito, orgulhoso. - Eu tô com fome, se quer saber. A gente podia comer umas frutas e encontrar logo o professor, o que acha? - Perguntou, e o Pokémon lutador azul concordou com um movimento de cabeça.

         Sem demora, logo eles estavam prontos e partiram em direção ao Laboratório. Chegando lá, Professor Oak os recebeu com um grande sorriso, e o jovem juntou a palma de suas mãos e fez uma reverência de respeito. Maddox concluiu que aquele senhor possuía uma aura bonosa e brilhante sem muito esforço. Foi-lhe oferecido então várias opções entre água, fogo e planta para que começasse sua jornada, mas o garoto retribuiu o sorriso e disse meio sem jeito:

         - Me parecem todos ótimos, Professor. Agradeço-lhe a bondade, mas trago comigo este Riolu cujo qual possuo uma conexão profunda, e se não fosse problema, escolho ele como companheiro nessa viagem em busca dos Shadow Pokémon. Eu vou salvá-los, Professor, e por isso solicito ao senhor minha Pokedéx. - Fez uma nova reverência, esperando que aquele senhor aceitasse o seu pedido de bom grado. Mal podia esperar para ir em busca de toda aventura que esperava-lhe nessa jornada.




Laboratório do Prof. Oak - Página 15 Somad

FICHA  °  BOX  °  SORTEIOS

Voltar ao Topo Ir em baixo

[icon="fa fa-check"][/icon][div]Atualizado
Smeargle (Femea) entregue e Riolu (fêmea, por sorteio) entregue.

Maddox caso queira um Riolu macho pode pedi-lo, porem o Riolu fica proibido de entrar no Day Care[/div]

Voltar ao Topo Ir em baixo

O dia começava de uma forma diferente se comparado com os demais, estava ocorrendo uma tempestade, enquanto que nos dias anteriores o Sol estalava sob a cabeça dos moradores de Pallet Town. Gray não era dali, mas morava naquela cidade há quase 1 mês e com isso acabou se acostumando com o clima e tudo mais.

Naquele dia chuvoso, em meio aquela tempestade, Gray decidira embarcar em sua viagem para ser um mestre pokémon, e para cumprir seus objetivos alternativos, como espalhar a sua religião de Elementalista e salvar o mundo da escuridão, principalmente os Pokémons, mas de começar sua jornada, ele deveria parar no Laboratório e assim ter a sua escolha.

Quando chegou no laboratório, Gray foi falar com o Professor Oak. -Bom dia professor. Desculpe estar todo molhado assim, essa tempestade tá dificil de ser controlada, mas isso não irá me impedir. Vim aqui pegar meu pokémon e tudo que necessito pegar para então iniciar minha jornada.- Gray então mostrava o seu emblema de Elementista Pyro e voltava a falar. -Como está vendo, sou um Elementalista e com o direito à mim concedido, desejo pegar o Jangmo-o.

O professor sorria e então pegava a pokébola de Jangmo-o, uma pokédex e outras pokébolas, estas sendo vazias, entregou-as para Gray que sorriu, soltando Jangmo-o da pokébola e sorrindo para o seu companheiro. -Obrigado professor. Olá Jangmo-o, sou seu novo companheiro, meu nome é Gray e você será um grande guerreiro Pokémon, vamos indo que a jornada será longa.- Gray e Jangmo-o saiam do laboratório e começavam a explorar juntos a cidade.


Última edição por Gray em Qui Nov 21, 2019 3:04 am, editado 1 vez(es) (Razão : Gray)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Conteúdo patrocinado
Conteúdo patrocinado

Postado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 15 de 15 Anterior  1 ... 9 ... 13, 14, 15

Voltar ao Topo


Página 15 de 15 Anterior  1 ... 9 ... 13, 14, 15

Você não pode responder aos tópicos neste fórum